Estagiar ou não? Eis a questão

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Estagiar ou não? Eis a questão

Mensagem  André em Sab Ago 15, 2009 8:35 am

Você já tentou se projetar para o futuro e imaginar como estará sua carreira profissional daqui a dez ou vinte anos? Certamente, não passa pela sua cabeça chegar aos 40 anos sem saber o que quer da vida. Por mais rápida que seja, toda experiência pode servir como parâmetro para suas escolhas no campo profissional.

Conhecimento teórico é bastante importante, mas sem a vivência cotidiana em uma organização, em que se colocam em prática tais conhecimentos, o tão esperado sucesso profissional pode demorar mais a chegar.

"Esta experiência de estágio tem me permitido conviver com questões corporativas, pois estar numa grande empresa, participar de reuniões e trocar ideias com profissionais mais experientes faz toda a diferença", diz Maria Clara Picarelli, estagiária responsável pela parte de Benefícios da área de RH da indústria farmacêutica Eli Lilly do Brasil. Por recomendação de uma amiga, a estudante de Administração da USP disse ter buscado a empresa por saber de sua reputação com o desenvolvimento de pessoas, cujo setor de Recursos Humanos é muito forte e considerado um dos melhores lugares para se trabalhar.

Realmente, identificar-se com os valores da empresa diminui bastante a chance de frustração. Foi apostando suas fichas nisso que o Administrador de Empresas, Maurício Tkatchuk iniciou sua carreira de trainee na Mercedes-Benz, há um ano e meio. Efetivado ao final do processo, hoje, aos 22 anos de idade, atua como Planejador de Logística e coordena uma equipe de cinco pessoas, incluindo um estagiário. "Poder circular em diferentes áreas da empresa me ajudou no processo de amadurecimento e a fazer escolhas que determinaram meu futuro na companhia", afirma o profissional.

Já o Engenheiro Mecânico de 24 anos, Jazon Barros, com sete meses de casa, reconhece também que como trainee seu papel ali não se restringe a trocar experiência com as pessoas, mas deve também oxigenar a capacidade produtiva da empresa. "Com uma carga de responsabilidade maior que a de um estagiário, acredito que o trainee deve contribuir mais para os resultados da empresa", diz ele.

Nesse aspecto, o compromisso com os resultados ganha força e vida no ambiente corporativo. À semelhança do que ocorre na Mercedes-Benz, a analista de Recursos Humanos da indústria farmacêutica Eli Lilly, Juliana Tomassini, observa ser crucial haver entre todos, dos estagiários aos funcionários efetivos da empresa, a responsabilidade pela maximização produtiva, em conformidade com os objetivos da companhia. Para isso, performance e um plano de metas são relacionados e anualmente analisados.

Juliana Tomassini acredita que uma prova de que estão no caminho certo aparece na taxa de efetivação de 40% de seu pessoal, demonstrando baixo turnover. "Aqui, o profissional pode evoluir em alguma expertise que sinta necessidade com foco na performance ótima. O estagiário, em especial, deve ter um acompanhamento mais próximo para que amadureça com a troca de conhecimentos e chegue onde queira de forma a ser eficiente no que faz, aplicando toda a sua competência a sua área de atuação".

Porém, nem só de empresas sérias vive o mundo corporativo, por isso, muitos universitários acabam concluindo os estudos sem estar inseridos na área de formação. Em fóruns de discussão sobre o tema na Internet o que mais se lê são frases do tipo: "Não quero ser mão-de-obra barata!", "Não vou estudar tanto para ser um estagiário que só tapa-buraco." Para se evitar problemas assim, devem ser preservados interesses comuns a serem compartilhados entre Universidade, Estagiário e Empresa.

Para o Coordenador do GCET (Grupo de Coordenadores de Estagiários e Trainees), Abraão Dantas dos Santos Jr., cada parte leva o seu quinhão já que o jovem entra com gás e quer mostrar serviço para a empresa. "Esta, por sua vez, pode se beneficiar não só pela isenção fiscal, mas pelo fato de poder lapidar o estagiário como quiser, pois ele ainda não apresenta vícios. Para a Universidade é ótimo também, afinal o que ela quer é ver seu aluno no mercado de trabalho. "A preocupação de inserir jovens na ativa inclui-se no aspecto da questão social, já que o maior índice de desemprego no Brasil chega a quase 9% nessa população. Os que estão entre 17 e 20 anos de idade correspondem a 20% desse total, ou seja, dobra o percentual, porque é mesmo difícil ter a primeira oportunidade".

Em junho deste ano, o GCET apresentou uma pesquisa realizada com 61 grandes empresas e 1639 estagiários, cujo principal objetivo foi levantar quais são as melhores práticas de estágio. Alguns números surpreendem: em 34% das empresas pesquisadas, a taxa de efetivação de estagiários é de 50% a 80% e a bolsa-auxílio varia de R$ 800,00 a R$1.300,00, em 64% das empresas ouvidas na pesquisa. Entre os cursos que possuem as melhores oportunidades estão Administração de Empresas, Ciências Econômicas, Ciências Contábeis, Comunicação Social, Direito, Engenharia Elétrica, Engenharia de Produção, Engenharia Química, Psicologia e Sistemas de Informação.


Estagiário e Trainee: você sabe a diferença?


Tais Amaral, consultora da Cia. de Talentos, explica as características de cada um:

Estagiário

O candidato ainda não é formado. No estágio não-obrigatório a bolsa-auxílio que gira em torno de R$ 800,00 a R$ 1000,00 e o vale transporte são compulsórios. Vale-refeição e convênio médico são opcionais. E tem direito ao seguro contra acidentes pessoais. A jornada de trabalho é de seis horas diárias ao estagiário que vem do ensino médio, profissional e superior. O contrato não pode passar de dois anos numa mesma instituição - exceto se o estagiário for deficiente . Após um ano de casa, ele deve gozar de 30 dias de férias remuneradas.

Trainee

É o profissional recém-formado. Tem contrato conforme a CLT e passa por um treinamento específico para assumir cargos de nível executivo num curto espaço de tempo - em até três anos.
Para Tais Amaral, a empresa deve reter o jovem talento. Um bom programa numa companhia é aquele em que o estagiário tenha possibilidade de contato com variadas áreas de atuação, favorecendo o crescimento profissional e a construção de um plano de carreira.

Mas para dar o pontapé inicial na carreira, não basta receber a informação de que determinada empresa está recrutando estagiários ou trainees, é preciso ter seu currículo avaliado em seleção prévia, fazer testes específicos e participar de dinâmicas de grupo. Nessa etapa, os principais comportamentos avaliados são o trabalho em equipe, a capacidade de comunicação e iniciativa.

E por que não iniciar a carreira agora mesmo buscando uma vaga de estágio? Fique atento aos cartazes fixados na sua faculdade e vá à luta.

Vale a pena estagiar? Qual é a melhor forma de começar a vida profissional?

Karin Alves - graduanda em Psicologia pela PUC/SP diz:

"Vale muito a pena estagiar, pois é uma chance de se aprender mais o que se estuda. Quem não faz estágio acaba encontrando maior dificuldade para se encontrar profissionalmente e apresenta grande dificuldade de inserção no mercado de trabalho ao se formar. O ideal é começar a vida profissional já estagiando na área onde você quer atuar futuramente."

A colega de faculdade, Jacqueline Esposito, também comenta:

"O erro é mais aceitável para o estagiário. Pôr a mão na massa indo para o estágio proporciona conhecimento e experiências diferentes ao que temos no ambiente da faculdade. Mas algumas delas não permitem fazer estágio no 1º semestre. Daí podemos fazer algum curso técnico, livre, de idiomas e até mesmo a realizar projetos dentro da faculdade. Isso conta muito no currículo."


Por Paulo Oliveira, especial para o Yahoo! Brasil
FONTE:YAHOO! Noticias

André
Veterano
Veterano

Mensagens : 141
Data de inscrição : 04/11/2008
Idade : 33

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum